Arquivos da categoria: Panfleto impresso

O que eles querem?

* Texto de conjuntura publicado originalmente no nosso material de 1 ano

A crise política que começou pequena no início de 2015 se desenvolveu, se aprofundou e agora parece entrar em seus últimos capítulos. Com a votação do impeachment da presidenta Dilma na câmara dos deputados o governo se sustenta por menos do que um fio de cabelo. Sem o apoio do parlamento e dos patrões, os petista veem o seu governo ruir ao seu redor e por isso se voltam a nós, trabalhadores, como último recurso.

As denúncias dos dois lados são das mais diversas. Os petistas alardeiam um golpe. A oposição parlamentar se diz numa cruzada contra a corrupção. Diante dos discursos bonitos e da enxurrada de notícias que inundam os canais de comunicação, é fácil se perder e achar que só se pode estar de um dos dois lados. A nós, trabalhadores, é dito que ou se está contra o “golpe”, ou se está “contra” a corrupção. Mas isso não é verdade.

Afinal, fala-se em golpe, mas a realidade é que o governo petista contribuiu para levar o país para o buraco e que ninguém hoje está feliz! Esse governo foi eleito dizendo que o futuro seria de desemprego e inflação alta se Dilma não ganhasse. E hoje vemos que o quadro é de desemprego e inflação descontrolada! Falou que os trabalhadores seriam atacados se a oposição fosse eleita. E atacou os trabalhadores assim que foi eleita.

Por outro lado, fala-se em lutar contra a corrupção, mas como isso é possível quando o impeachment é encabeçado por pessoas como Eduardo Cunha, Aécio Neves e tantos outros? Os que dizem querer combater a corrupção são corruptos também. E não só. Basta assistir a declaração dos votos a favor do impeachment para ver quem são os justiceiros: latifundiários, industriais, banqueiros, machistas, racistas, homofóbicos e alguns inclusive, a favor da ditadura militar. Ou seja, todos inimigos dos trabalhadores.

A verdade é que ambos os lados querem mesmo é mostrar que são os melhores para nos atacar. Que é o grupo com maior capacidade de proteger o lucro do patrão e sacrificar os trabalhadores. A eles não interessa a nossa situação. Não interessa que acordamos e dormimos com o medo do desemprego. Não interessa que contamos os centavos para cobrir as nossas necessidades. Interessa o contrário, interessa provar que conseguem passar o ajuste fiscal o mais bruto possível, ao mesmo tempo em que reprime os trabalhadores da maneira mais eficaz. Não à toa ambos os lados defendem o ajuste fiscal e medidas de austeridade para sacrificar os trabalhadores.

Diante disso, escolher entre um desses lados é impossível. E é impossível porque nenhum deles de fato quer defender os trabalhadores. Mas continuar a despejar a crise econômica – que não será solucionada pelo impeachment ou não de Dilma – sobre nós.

Devemos traçar um plano de lutas que ultrapasse a polarização colocada atualmente e recoloque o enfrentamento de classes no centro da discussão. Devemos ir além do impedimento ou não do governo petista, armando a resistência no cerne da questão hoje: a crise econômica. Porque enquanto PT, PMDB e PSDB se digladiam por fatias maior no Estado, o que nos resta são os ataques que não param de chegar.

Lei antiterrorismo, retomada da discussão de ampliação da terceirização, reforma da previdência e ataque ao salário mínimo, são alguns dos ataques que ou passaram ou pretendem ser passados no próximo período, como complemento às demissões e arrochos salariais.

Optar por se centrar na questão do impeachment enquanto medidas como essas são passadas, não é somente um erro, mas também uma irresponsabilidade. É se perder em meio às notícias e buscar atalhos que nada farão, a não ser fortalecer quem nos ataca. Hoje, a prioridade deve ser erguer a resistência contra esses ataques, tirando da frente dos trabalhadores a distração da disputa pela presidência, e recolocando o foco naquilo que nos importa: a defesa das nossas condições de vida!

NEM COM O PETISMO, NEM COM A OPOSIÇÃO PARLAMENTAR!
CONTRA O ATAQUE DOS GOVERNOS E DOS PATRÕES!

O que eles querem

1° de maio: história de lutas no anarquismo

* Texto publicado originalmente no nosso material de 1 ano

Atualmente o termo anarquismo é usado de modo muitas vezes sem nenhum sentido e ligação com seu significado verdadeiro, o prefixo “anarco” é colocado em diversos movimentos de contracultura. Isso se dá poque o anarquismo hoje é confundido por um comportamento individual, que alguns grupos denominam de “pratica libertaria” porém isso não é nem de perto o que o anarquismo realmente deveria significa. Pode-se ver que isso é um efeito da própria atuação dos que se reivindicam anarquistas desde principalmente a segunda metade do século XX, pois o anarquismo não fora capaz de retomar um papel relevante nos movimento das massas trabalhadoras após consecutivas derrotas no período anterior.

É por essas e muitas outras degenerações no movimento daqueles que se dizem anarquistas que devemos relembrar a origem e o desenvolvimento dessa linha política. O anarquismo não é reduz a uma corrente de pensamento, a um alinhamento político-ideológico, é uma práxis que visa a emancipação da classe trabalhadora por uma revolução socialista, ou seja, a tomada dos meios de produção pelos que trabalham.

Com isso em mente, ao olharmos para a história encontramos anarquia não em movimentos que visam criar uma realidade paralela para fugir do capitalismo, mas sim na classe trabalhadora organizada para a sua superação. Anarquista não é o jovem rebelde contra toda e qualquer autoridade, anarquista é o proletariado levando a frente um programa revolucionário que visa a destruição do capital e do Estado.

Muitos, até mesmo entre os revolucionários, nos acusam de ter um projeto político que não é aplicável a realidade usando os mais diversos argumentos, mas vale lembrar que o projeto socialista revolucionário anarquista também não foi teorizada por intelectuais dentro de seus gabinetes, mas forjado e construído na materialidade da luta de classes ao longo da história.

Desde a Primavera dos Povos em 1848, momento em que ocorrem inúmeros levantes revolucionários na Europa e mais tarde em outras partes do mundo, já se pode identificar o proletariado como um agente importante para a disputa política – mas nessa época ainda era uma classe pequena em número e seu projeto político da revolução socialista ainda era embrionário. É em 1871 no processo revolucionário da Comuna de Paris que o proletariado conquista o poder para si pelas armas, dissolve o Estado e toma os meios de produção: um exemplo da execução do programa anarquista na realidade. Por mais curto que tenha sido o autogoverno dos trabalhadores essa experiência prova que lutamos não por uma utopia, mas por uma possibilidade que está colocada na realidade. A revolução em 1871 não era uma teoria ou um discurso, mas um fato que tem seu ecos na história até os dias de hoje.

Outra data emblemática na história do anarquismo é o primeiro de maio de 1886. Milhares de trabalhadores organizados em seus sindicatos, muitos dirigidos por militantes anarquistas, iniciam uma greve geral nos Estados Unidos pela jornada de oito horas sem redução de salário. Nesse processo a polícia assassinou trabalhadores grevistas, no dia quatro de maio, em um ato em Chicago em apoio a greve geral, a polícia abre fogo e os trabalhadores contra-atacam com bombas, causando a morte de mais grevistas. Oito lideres anarquistas são presos depois desse episódio, sete serão condenados a pena de morte e as forças da repressão atacaram ainda mais a classe de conjunto. Novamente vemos um exemplo a ser seguido por nós anarquista de hoje, a de que devemos lutar por melhores condições de trabalho e defender nossos salários mas não de forma passiva e conciliatória mas de forma radicalizada. A greve geral, as paralisações, piquetes e outros métodos históricos da nossa classe.
Nós também temos aqui no Brasil exemplos de grandes lutas que tiveram militantes anarquistas à frente, como a greve geral de 1917. Podemos não ter tomado o poder como os franceses, mas uma greve geral com reivindicações como jornada de oito horas, respeito ao direito de associação, aumentos salariais e libertação dos presos políticos, trabalha no sentido de fortalecer a classe trabalhadora e suas organizações o que, no limite, são passos importantes para a revolução

Tendo esses e muitos outros exemplos não há motivo para o anarquismo continuar no estado em que está hoje, isso quer dizer, dissociado da luta da classe trabalhadora e mais associado a um individualismo comportamental do que um projeto socialista revolucionário que se pauta na luta de classes. Não escolhemos o primeiro de maio a toa, pois esse dia não é qualquer dia, é uma data importantíssima para todos nós trabalhadores e é com o espírito dos lutadores do primeiro de maio que a Aliança Anarquista se propõe a levar a frente o anarquismo, ao lado da classe e pela revolução.

VIVA A LUTA DA CLASSE TRABALHADORA POR SUA EMANCIPAÇÃO!
VIVA O 1° DE MAIO!

1 maio

Apresentação da Aliança Anarquista

* Texto publicado originalmente no nosso material de 1 ano

Há um ano atrás, tornava-se público o Manifesto da Aliança Anarquista. Lançado em 1º de maio de 2015, este documento apresentava os pilares iniciais para a construção desta organização que esforça-se para recolocar o anarquismo no lugar de onde nunca deveria ter saído: no interior da luta da classe trabalhadora.

Partindo de uma avaliação comum sobre a conjuntura e sobre a atual inexpressividade do anarquismo, a Aliança Anarquista apoia-se no método materialista histórico-dialético para elaborar seu programa de lutas e inspira-se nos clássicos do anarquismo revolucionário, tão presente e atuante nas importantes lutas de nossa classe, para orientar o fortalecimento do anarquismo organizado. Encontra nos exemplos da Aliança da Democracia Socialista – partido de vanguarda organizado por Mikhail Bakunin – e na proposta da Plataforma Organizacional – escrita por anarquistas russos e ucranianos que atuaram na Revolução Russa de 1917 – a inspiração para reerguer o programa do anarquismo revolucionário organizado.

Considerando também os diversos esforços de diversos militantes anarquistas comprometidos e engajados ao redor do mundo para a construção e fortalecimento do socialismo antiestatista, compreende a importância de seguir avançando na formulação teórica, programática e estratégica rompendo com as tentativas de tornar o anarquismo refém da ineficaz política identitária, comportamental e individualista.

O anarquismo não é um estilo de vida onde cada indivíduo finge poder renunciar individualmente ao capitalismo. O anarquismo é uma corrente socialista revolucionária que tem como objetivo a tomada dos meios de produção e a destruição do Estado-nação a partir da organização classista e da luta combativa dos trabalhadores e sua juventude.

Com o atual acirramento da luta de classes, a necessidade da organização e da disciplina militante se coloca ainda mais urgente. A construção coletiva de um programa de lutas que não deposite suas perspectivas na tomada – pela via eleitoral ou não – do aparelho do Estado é fundamental.

Por isso convocamos todos os trabalhadores e sua juventude comprometidos com a luta de nossa classe para que, com atuação concreta nas bases, somem esforços na construção da Aliança Anarquista rumo à tão necessária revolução social!

TODO PODER À CLASSE TRABALHADORA!

CAPA NOVA

Panfleto de 1 ano da Aliança Anarquista

Material de 1 ano de Aliança.pdf

j 1

j2

Levantar a bandeira revolucionária derrotar a reação!

* panfleto distribuído no Encontro de Anarquistas de 19.03.2016

O aprofundamento da crise capitalista internacional, tem impactado de maneira cada vez mais drástica na situação nacional. Por um lado, grandes empresários avançam com arrocho salarial, demissão e terceirização; por outro, governos de unidade com todos os partidos da ordem – PT PSDB PMDB e outros – realizam cortes na Saúde, na Educação, Transportes e outros serviços essenciais, privatizam as poucas empresas estatais que ainda restam, restringem direitos, mas também, aprovam leis e iniciativas de endurecimento do regime – com evidente destaque à Lei Antiterror, formulada e já sancionada pelo governo federal petista. Lutar para defender as condições de vida de nossa classe trabalhadora é lutar contra todos estes ataques e seus autores; é lutar tanto contra os grandes capitalistas imperialistas, nacionais e internacionais, quanto contra todos os governos, parlamentares e partidos da ordem.

Outro fator também precisa ser observado: durante décadas, enorme parcela das massas trabalhadoras tiverem o projeto petista como referência. Este, com seu discurso de esquerda e suas promessas de reformas sociais, conquistou a simpatia de nossa classe. Entretanto, com sua chegada ao poder, acabou por aplicar políticas nocivas aos trabalhadores, exatamente como seus antecessores. Esta enorme distância entre um discurso progressista e uma prática política submissa aos interesses imperialistas – que sequer poderia ser diferente, pois o estado é tão somente o aparato político dos grandes capitalistas – gerou, após 13 anos na presidência, enorme desgaste e descrédito de nossa classe frente ao projeto petista.

panf

A degeneração do PT e toda a crise política abriu espaço para o crescimento de setores de extrema-direita. As tradicionais insígnias da esquerda passaram a ser identificadas com a traição do Partido dito dos Trabalhadores e assim discursos irracionais tem sido perpetuados contra símbolos como a cor vermelha, entre outros. O legítimo sentimento popular de repulsa ao petismo tem sido manobrado para tornar-se uma ataque generalizado à toda esquerda.

Continuar lendo

O que fazer para barrar o aumento

* Panfleto com nossa posição sobre a luta contra o aumento

* unidade da classe e luta na rua *

Milhões de pessoas pegam ônibus, metrô e trem diariamente para se deslocarem aos seus trabalhos e às suas escolas. Todas estas conhecem muito bem a precária situação do transporte de massas na grande São Paulo – atrasos, superlotação, falhas, acidentes e mesmo assédio, no caso das mulheres, fazem parte do nosso cotidiano. Assalariados em regime CLT, pagam 6% de seu salário tão somente para irem e voltarem do trabalho; muitos outros arcam sozinhos com o custo das tarifas. Desse enorme setor de nossa classe, a luta contra o aumento das tarifas mobiliza e aglutina, já há anos, uma grande quantidade de pessoas organizadas das mais diversas maneiras – no atual período, é efetivamente a pauta mais unificadora.

Para barrarmos o aumento, devemos aproveitar ao máximo o enorme alcance e o amplo leque de lutadores que se envolvem nesse embate. É exatamente neste ponto que reside a importância do Bloco de Luta: ele que tem a possibilidade de ser o fórum de planejamento de estratégias e execução de ações em comum de todas as forças na luta. Neste sentido, nós saudamos a fundação do Bloco e convocamos todos os grupos e pessoas que compõem a luta contra o aumento – em especial o MPL – a somar forças neste espaço.

* pragmatismo na análise e radicalidade na ação *

O fórum que estamos construindo pode tornar-se o principal pólo aglutinador, todavia, para tal faz-se necessário evitarmos alguns equívocos e vícios típicos de uma esquerda reformista e também, muitas vezes, idealista.

Para barrarmos o aumento é preciso nos focarmos no que nos unifica e que de fato, na atual conjuntura, pode ser conquistado: barrar o aumento da tarifa. É a luta para barrar o 3,80 que nos unifica e que pode ser vencida. Debatermos qual seria a pretensa solução ideal para o transporte de massas no enorme conurbado urbano da grande São Paulo, só serviria para nos desgastarmos e perdemos tempo inutilmente. Até mesmo pois, não somos e nem queremos ser gestores do Estado, tampouco haverá qualquer solução real para qualquer um dos problemas de nossa classe sem rompermos com o modo de produção capitalista. Não temos dúvidas de que os trabalhadores, em seu conjunto, terão o controle dos trens e ônibus e garantirão um transporte de qualidade e gratuito, mas não tenhamos dúvidas de que o teremos nos organizando e tomando os trens e ônibus – e todo o resto – não a partir de uma concessão estatal.

Mas também, não podemos nunca perder o horizonte de que somente a luta radicalizada poderá nos trazer algum resultado. As plenárias do Bloco precisam se tornar um espaço de debate, deliberação e organização de ações em comum. O maior perigo que este fórum corre é o de tornar-se mais um espaço de palanque: saturar-se em inflamados discursos, cheios de combatividade em suas palavras, mas vazios de ações reais. Infelizmente sabemos que este é um risco bem real, pois recorrentemente fóruns de esquerda recaem nesse lamaçal.

Neste ponto, reconhecemos o acerto dos militantes do MPL, assim como dos secundaristas na luta contra a “reorganização”, de não confiarem em nada senão nas suas organizações e na ação direta; nas manifestações de rua, nas ocupações, no trancamento de vias e terminais estratégicos. O Bloco de Luta não pode nem se tornar um espaço infértil de meras palavras bonitas, tampouco achar que algum parlamentar poderá nos ajudar.

* superar os limites do autonomismo e os vícios reformistas da esquerda *

Barrar o aumento da tarifa é possível. Uma enorme vanguarda de milhares de lutadores, das mais diversas categorias de trabalhadores, escolas, universidades, bairros, está mobilizada para este combate. Este contingente não está disposto ao arrego – é provável que ainda teremos uma longa jornada pela frente. É preciso, a partir dessa diversidade e empenho, enraizarmos a luta, radicalizando, massificando e generalizando a revolta popular contra o 3,80. Para tal, é essencial superarmos o atomismo e o sectarismo de parte dos setores – em especial do MPL e do autonomismo – e unificarmos forças, organizando a luta coletivamente. Todavia, a superação desses limites não pode, de maneira alguma, resultar num recaída nos velhos vícios reformistas da esquerda. Ainda que o Bloco de Luta seja o espaço onde a unidade na ação de todas os setores em luta possa ser realizada, ele só conseguirá cumprir seu papel superando as limitações sectárias do autonomismo – assim como dalgumas forças já inseridas neste fórum – e, simultaneamente, o risco de se tornar um espaço infértil de disputas utópicas e longos discursos, que não se materializam em ações concretas.

Superar, de uma só vez, os limites do autonomismo e os vícios reformistas da esquerda é o desafio que a atual conjuntura da luta da classe trabalhadora e sua juventude contra a piora nas suas condições de vida nos impõe.

3,80 NÃO!

panfleto jpg

Unificar as lutas para vencer a batalha!

*panfleto para o ato de hoje e a plenária de amanhã

O ato nacional do dia 18 e o Encontro de trabalhadoras e trabalhadores do dia 19 de setembro são dois importantes passos para a luta de toda nossa classe. Até agora tivemos algumas vitórias com as greves ao longo do ano, mas os ataques tem sido tantos e tão generalizados que devemos reconhecer que estas vitórias foram apenas parciais. É preciso unificarmos as lutas e radicalizarmos nossos métodos rumo à construção de novas paralisações para barrarmos de fato os ataques que o governo do PT tem feito aos trabalhadores! Não podemos mais perder tempo: quem ocupa a cadeira de gestor do Estado jamais defenderá os interesses da classe trabalhadora! Devemos organizar nossas defesas desde as bases e de forma unificada impor uma derrota àqueles que nos exploram! Por isso nós da Aliança Anarquista estamos compondo estes espaços e saudamos todos os lutadores e lutadoras que estão nesta construção!

| Construir um movimento combativo e independente! |

É tarefa fundamental conseguirmos romper com a fragmentação de nossa classe, superando as greves por categorias e por fábricas para erguer um movimento que abarque largos setores de trabalhadores e consiga derrotar os ataques que se armam contra nós! Uma unidade necessária para que – de norte a sul – seja possível a construção de ações diretas a nível nacional, como as paralisações e a greve geral, tão importantes para o nosso fortalecimento!

Também é essencial que a organização do conjunto da classe trabalhadora seja combativa, independente e não se torne um polo eleitoreiro. Para isso é preciso barrar tanto os ataques vindos dos governos – como a Agenda Brasil e as Medidas Provisórias do governo petista – quanto os ataques gerais por parte dos capitalistas como o arrocho e as demissões. Não podemos fomentar ilusões na troca de gestores, pois não é a mudança do nome de quem ocupa as cadeiras do Estado que fará com que ele defenda os interesses de nossa classe. Construir um campo classista, combativo e antigovernista e que não tarde em tomar uma posição firme pela derrubada de todos aqueles que ousam atacar as condições de vida dos trabalhadores, pois qualquer hesitação neste sentido só beneficia os próprios governos e os capitalistas.

Se a classe trabalhadora tudo produz, a ela tudo pertence! Avante companheiros!

Organizar a revolta, defender a classe e desestabilizar a democracia dos capitalistas!
Construir em unidade a luta contra as investidas do Estado e da patronal!

panfleto 18 09 final

Panfleto de lançamento da Aliança Anarquista

Apresenta-se, neste 1º de maio – data histórica da luta dos trabalhadores contra seus algozes – a Aliança Anarquista. Proposta que surge dos anseios da militância comprometida com a luta de classes e que reconhece como central a necessidade de agrupar a vanguarda presente nos diversos locais de trabalho e estudo em um partido orientado por um programa revolucionário anarquista. Um programa para as lutas dos trabalhadores contra seus exploradores, de forma a romper totalmente com o capitalismo e o Estado. Uma organização que não tema a responsabilidade de estar à altura dos desafios e necessidades imposto pela atual situação da luta de classes.

Conclamamos todas as pessoas que dão o sangue e o suor pela classe trabalhadora, e sentem a necessidade da destruição deste regime de exploração, a lerem o manifesto da Aliança Anarquista. Mais do que isso, que aceitem o desafio e a responsabilidade de colocar na ordem do dia a combatividade necessária para a consolidação do poder da classe trabalhadora, através da tomada dos meios de produção e a destruição do órgão máximo da defesa do capital: o Estado.

O manifesto está lançado e aborda uma breve discussão sobre conjuntura nacional, com avaliação sobre a crise do capitalismo e a crise da social-democracia, a necessidade da construção de uma organização que reúna a vanguarda nascida no seio da classe em luta. Apresenta também as diferenças centrais com demais organizações que se reivindicam anarquistas hoje, com o autonomismo e com as linhas do comunismo-marxista.

Faremos uma série de encontros para colocar este manifesto em debate com todas as pessoas interessadas. Confira no site as datas e locais.

Trabalhadores ao poder!

panfleto lançamento