Arquivos da Tag: conjuntura nacional

Para a crise da política institucional a saída é a luta nas ruas!

O espetáculo do impeachment acabou. O clima que paira no ar não podia ser diferente: o desfecho estava dado há tempos e era mais do que previsível. Como um filme que já se sabe o final, todos assistem sem entusiasmo. A resposta que muitos querem dar está travada na garganta e as mãos estão atadas por uma direção que mais uma vez coloca nas eleições o único caminho possível. Paralelo a esta sensação de incapacidade abre-se um caminho supostamente mais estável para o novo-velho governo desferir os ataques que já estava planejando. A apatia reinará, ou conseguiremos abrir nossos caminhos à esquerda?

A crise econômica iniciada em 2008 que está assolando o mundo não tinha como deixar o Brasil de fora. O Partido dos Trabalhadores vende a ilusão de que é possível um governo para todos, com as classes trabalhadoras se beneficiando de alguns programas sociais enquanto os bancos e patrões continuavam tendo altos lucros. No entanto, precisamos entender que, embora boa parte da base do PT seja de movimentos sociais/sindicais, o PT representava os interesses da burguesia. Foi esse partido que colocou Katia Abreu no Ministério da Agricultura (famosa defensora dos latifundiários), que colocou Joaquim Levy no Ministério da Fazenda (sinalizando uma política neoliberal para a economia), que nunca se propôs a legalizar o aborto, que vetou o kit anti-homofobia, que fez o programa “mãe cegonha” (que foca na saúde da mulher só no seu período de gravidez, indo na contramão da atenção à saúde integral da mulher reivindicada pelas feministas), que investiu na educação superior privada (com Prouni e Reuni), etc.

Embora nunca seja possível governar para todos, essa impossibilidade fica ainda mais evidente em um cenário de crise do capitalismo. Ao menor sinal de que medidas sociais representem perdas econômicas aos setores capitalistas, elas são rapidamente cortadas. É nessa conjuntura econômica que no final do ano passado programas sociais que eram tão defendidos pelo governo na área da saúde e educação sofrem cortes e a reforma da previdência avança a passos largos. Este cenário de crise evidencia ainda mais como os interesses dos trabalhadores são distintos daqueles dos patrões, ou seja, torna mais evidente a luta de classes no cotidiano. Os interesses dos capitalistas e dos trabalhadores são inconciliáveis e na disputa sobre quem sairá perdendo os trabalhadores tem levado duros golpes, mas não sem resistência. As consequências da crise econômica acirram os ânimos e os trabalhadores e a sua juventude tomam as ruas, ocupam fábricas e escolas, fazem greves e buscam recuperar, na marra, aquilo que lhes pertence. Para conter as revoltas, governos usam e abusam da repressão e no Brasil isto foi nítido nos protestos de junho de 2013 e na aprovação da Lei anti-terrorismo. A militarização das favelas, das escolas e a repressão nos locais de trabalho são as marcas de um governo que não hesita em governar para os ricos.

Embora hajam diferenças entre aqueles que estão fazendo o impeachment e o governo do PT, há também muita continuidade, visto que ambos defendem projetos da burguesia. É importante lembrar que até pouco tempo atrás vários que estão agora chamando o impeachment estavam na base do governo Dilma, e que o PT vai sair com o PMDB e outros partidos supostamente adversários em várias eleições de prefeituras. A verdade é que o PT cavou seu próprio túmulo com seu projeto de consciliação de classes. Aliou-se a Temer, Cunha e Katia Abreu, fez política para a burguesia e agora tenta se colocar como adversário dos setores reacionários.

O PT está, portanto, ultrapassado. Ultrapassado para os trabalhadores que já não o enxergam como governando para eles e ultrapassado para uma burguesia que agora pode colocar um governo sem mediações. A figura de Michel Temer na presidência busca recuperar uma estabilidade que o governo Dilma já não conseguia impor. E mesmo frente ao processo de impeachment, as direções do PT nem mesmo buscam mobilizar a população. Em frangalhos, o partido da estrela vermelha já não consegue mobilizar amplas massas para as ruas em sua defesa, pois seu governo é indefensável. A saída encontrada foi a caracterização do impeachment como um golpe, para que assim possam dar o tom das eleições de 2018. Na prática, o mesmo plano de governo seria aplicado. No discurso, poderiam ressurgir como alternativa, caracterizando os retrocessos sofridos como sendo frutos do governo do PMDB.

Não são poucos os trabalhadores que perderam as ilusões no PT e em qualquer projeto político de conciliação de classes, mas também não são poucos os trabalhadores que não reconhecem o governo Temer e que sabem que duros ataques ainda estão por vir. A vontade de lutar não falta. A vontade de defender nossas vidas, nossos empregos e salários está latente, pois é necessária. Frente a isso é preciso ficarmos atentos. Milhares de pessoas não sairão às ruas para defender o governo petista, tampouco enxergam melhora nas mãos de Temer. A ânsia pela autodefesa precisa encontrar vazão e organização em um programa de lutas à esquerda e revolucionário, antes que sucumba a projetos políticos de extrema direita, o que é especialmente perigoso em momentos de crise.

Os ataques que estamos recebendo e que se intensificarão estão vindo de forma difusa. Não se expressam apenas no arrocho salarial localizado, onde cada categoria de trabalhadores precisava, e muitas vezes conseguia, dar respostas com uma mobilização local. Os ataques à nossa classe estão vindo, por exemplo, por meio de reformas trabalhistas, o que nos exige uma mobilização ampla, agregando inclusive os setores que não conseguem se sindicalizar.

Há um desafio imenso a nossa frente e a esquerda combativa precisa conseguir se desvencilhar completamente do projeto político de conciliação de classes, romper com os resquícios burocráticos e se colocar com força na militância de base, articulando-se em todas as frentes que forem possíveis para unir esforços em ações unitárias. A construção de uma greve geral é importante, mas para conseguir chegar até ela e para que não se encerre em si mesma, há muito o que fazer.

A defesa real de nossas condições de vida e trabalho é urgente. A saída para esta crise não está em um novo gestor do Estado Capitalista, mas no retorno da perspectiva revolucionária. A crença no projeto de conciliação de classes já custou muito caro para a vida da classe trabalhadora e precisa ser retirada do horizonte. A saída não está nas eleições da democracia burguesa e nem em nenhum novo partido que esteja rascunhando a mesma trajetória do PT. A saída está na independência de classe, na defesa intransigente de nossas condições de vida e trabalho, em nossas mobilizações pela base e na certeza da necessidade da revolução socialista. Temer não terá sossego, assim como nenhum outro governo teve! Nossa luta segue avançando!

Não mais patrões e não mais ilusões!
Não aos ataques dos governos!

O que eles querem?

* Texto de conjuntura publicado originalmente no nosso material de 1 ano

A crise política que começou pequena no início de 2015 se desenvolveu, se aprofundou e agora parece entrar em seus últimos capítulos. Com a votação do impeachment da presidenta Dilma na câmara dos deputados o governo se sustenta por menos do que um fio de cabelo. Sem o apoio do parlamento e dos patrões, os petista veem o seu governo ruir ao seu redor e por isso se voltam a nós, trabalhadores, como último recurso.

As denúncias dos dois lados são das mais diversas. Os petistas alardeiam um golpe. A oposição parlamentar se diz numa cruzada contra a corrupção. Diante dos discursos bonitos e da enxurrada de notícias que inundam os canais de comunicação, é fácil se perder e achar que só se pode estar de um dos dois lados. A nós, trabalhadores, é dito que ou se está contra o “golpe”, ou se está “contra” a corrupção. Mas isso não é verdade.

Afinal, fala-se em golpe, mas a realidade é que o governo petista contribuiu para levar o país para o buraco e que ninguém hoje está feliz! Esse governo foi eleito dizendo que o futuro seria de desemprego e inflação alta se Dilma não ganhasse. E hoje vemos que o quadro é de desemprego e inflação descontrolada! Falou que os trabalhadores seriam atacados se a oposição fosse eleita. E atacou os trabalhadores assim que foi eleita.

Por outro lado, fala-se em lutar contra a corrupção, mas como isso é possível quando o impeachment é encabeçado por pessoas como Eduardo Cunha, Aécio Neves e tantos outros? Os que dizem querer combater a corrupção são corruptos também. E não só. Basta assistir a declaração dos votos a favor do impeachment para ver quem são os justiceiros: latifundiários, industriais, banqueiros, machistas, racistas, homofóbicos e alguns inclusive, a favor da ditadura militar. Ou seja, todos inimigos dos trabalhadores.

A verdade é que ambos os lados querem mesmo é mostrar que são os melhores para nos atacar. Que é o grupo com maior capacidade de proteger o lucro do patrão e sacrificar os trabalhadores. A eles não interessa a nossa situação. Não interessa que acordamos e dormimos com o medo do desemprego. Não interessa que contamos os centavos para cobrir as nossas necessidades. Interessa o contrário, interessa provar que conseguem passar o ajuste fiscal o mais bruto possível, ao mesmo tempo em que reprime os trabalhadores da maneira mais eficaz. Não à toa ambos os lados defendem o ajuste fiscal e medidas de austeridade para sacrificar os trabalhadores.

Diante disso, escolher entre um desses lados é impossível. E é impossível porque nenhum deles de fato quer defender os trabalhadores. Mas continuar a despejar a crise econômica – que não será solucionada pelo impeachment ou não de Dilma – sobre nós.

Devemos traçar um plano de lutas que ultrapasse a polarização colocada atualmente e recoloque o enfrentamento de classes no centro da discussão. Devemos ir além do impedimento ou não do governo petista, armando a resistência no cerne da questão hoje: a crise econômica. Porque enquanto PT, PMDB e PSDB se digladiam por fatias maior no Estado, o que nos resta são os ataques que não param de chegar.

Lei antiterrorismo, retomada da discussão de ampliação da terceirização, reforma da previdência e ataque ao salário mínimo, são alguns dos ataques que ou passaram ou pretendem ser passados no próximo período, como complemento às demissões e arrochos salariais.

Optar por se centrar na questão do impeachment enquanto medidas como essas são passadas, não é somente um erro, mas também uma irresponsabilidade. É se perder em meio às notícias e buscar atalhos que nada farão, a não ser fortalecer quem nos ataca. Hoje, a prioridade deve ser erguer a resistência contra esses ataques, tirando da frente dos trabalhadores a distração da disputa pela presidência, e recolocando o foco naquilo que nos importa: a defesa das nossas condições de vida!

NEM COM O PETISMO, NEM COM A OPOSIÇÃO PARLAMENTAR!
CONTRA O ATAQUE DOS GOVERNOS E DOS PATRÕES!

O que eles querem

Basta de ataques aos trabalhadores! Derrubar o governo do PT!

*Posicionamento da Aliança Anarquista sobre a conjuntura de crise política

“Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto e eu estou no volume morto”, são palavras não de algum adversário político do governo, mas sim de Lula, companheiro de partido da presidenta e principal liderança da legenda. Dilma, por sua vez, afim de tentar salvar o mínimo de aprovação que ainda possui, abandonou à própria sorte José Dirceu, fundamental articulador político petista, colocando a prisão deste como uma questão de partido, não de governo. O irreversível definhar do projeto do Partido dos Trabalhadores – após doze anos gerenciando a máquina governamental capitalista – coloca-se como fato tanto na aversão de 84% da população do grande ABC, berço do partido e importante pólo industrial, quanto na fala de Tarso Genro, militante petista histórico e ex-governador do Rio Grande do Sul: “Esse PT que está aí chegou nitidamente ao fim de um ciclo”.

Entretanto, mesmo nesse cenário de evidente fragilidade do governo federal e seu partido, o PSDB, agrupamento que se coloca como principal oposição, tem seguido uma política hesitante. Hesitam em levar a frente o processo de impeachment de Dilma, hesitam em acompanhar o coro do “Fora Dilma” e as manifestações pela sua queda – sendo estas dirigidas e articulados por setores recém organizados da velha direita. Esta política vacilante, em cima do muro, por parte dos tucanos deve ser compreendida primeiramente pelos receios dos grandes empresários, latifundiários e banqueiros em apoiar a retirada de um governo que tem tido êxito em garantir as elevadas taxas de lucro, em detrimento dos padrões de vida dos trabalhadores, mesmo no contexto de progressivo acirramento da crise econômica. Mas, há um segundo fator, de ordem política, que não pode ser desconsiderado: a oposição parlamentar e institucional tem consciência que a crise do projeto petista expressa, também, uma crise mais profunda e generalizada na política democrática capitalista. Afinal, os mesmos casos de corrupção e as mesmas políticas antipopulares, envolvem o conjunto dos partidos da ordem.

Tanto o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso demonstra ter conhecimento desta perda de legitimidade das instituições democráticas do capitalismo brasileiro, ao escrever que “ tornou-se óbvio que há um acúmulo de crises: de crescimento, de desemprego, de funcionamento institucional, moral, condução política “, quanto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin ao falar que “o impeachment é um trauma para o país”, completando, “precisamos zelar pela democracia”. Como membros de partidos comprometidos com a ordem democrática e o regime capitalista, eles sabem que a manutenção da legitimidade do aparato governamental frente ao conjunto dos trabalhadores é prioritária às disputas partidárias por cargos. Para aqueles que detém a propriedade do modo de produção capitalista, o mais importante é manter a estabilidade política e a governabilidade, afim dos gestores do Estado poderem garantir com mais facilidade a normalidade das relações de produção – impedindo, abafando, reprimindo legal e ilegalmente greves, atos de rua e outras manifestações políticas de trabalhadores – e a agenda política de medidas e ataques – as privatizações diversas, as medidas provisórias e projetos de leis que pioram as condições de trabalho (MP 664 e 665, PL 4330, PPE), o corte de verbas nos serviços públicos e o arrocho salarial de trabalhadores ligados a serviços ou empresas estatais. Posição expressa, por exemplo, na recente nota assinada pela FIESP e FIRJAN (Federação das Indústrias de São Paulo e Rio de Janeiro) “O momento é de responsabilidade, diálogo e ação para preservar a estabilidade institucional do Brasil”.

Compreendido o caráter de classe do Estado brasileiro, e constatando que passamos por um período de acirramento de um processo de crise econômica, o papel do governo vem sendo, e será, o de jogar as consequências da piora na economia nos trabalhadores, afim de garantir a manutenção das taxas de lucros. Neste contexto, o melhor para os trabalhadores é fragilizar ao máximo os governos e suas instituições, afim de dificultar a implementação das políticas de ataques as condições de trabalho. Quanto mais fragilizado estiver o governo, o congresso e o senado, mais dificuldades este terá em implementar leis como a PL 4330 da terceirização ou as bloco de medidas contra nossa classe contidas na Agenda Brasil – proposta por Renan Calheiros, e abraçada por Dilma Roussef. A instabilidade e a paralisia nas instituições políticas capitalistas, neste momento, podem favorecer a luta independente dos trabalhadores.

basta

| Organizar a revolta, defender a classe e desestabilizar a democracia capitalista! |

Nesta conjuntura de definhamento do projeto petista, insatisfação generalizada com o governo federal e profunda desconfiança frente as instituições democráticas do capitalismo e seus gestores, é bastante perigoso travar políticas vacilantes – como grande parte da esquerda tem feito. A revolta contra o governo petista e suas medidas é legitima. O PT, à frente do governo federal, tem sido responsável por grande parte das políticas que atacam as condições de vida dos trabalhadores brasileiros. Neste momento de polarização da sociedade brasileira, levar a cabo uma política hesitante e não disputar a direção da insatisfação popular é deixar o campo livre para o fortalecimento da extrema-direita. É tarefa de todos de nossa classe se unirem e lutarem intransigentemente contra estes ataques, e contra este governo. A nossa tarefa é derrubar tanto as demissões, arrochos salariais, quanto as políticas governamentais de ataque aos trabalhadores, assim como os gestores responsáveis por estas. Continuar lendo