Arquivos da Tag: crise

PPE – Plano de Proteção ao Emprego ou Plano de Proteção ao Empresário?

O PPE, aprovado pelo governo de Dilma (PT), e aplaudido pelo empresariado e por duas das maiores centrais sindicais brasileiras, CUT e Força Sindical, é mais um ataque à classe trabalhadora.

Este plano poderá reduzir em até 30% o salário dos trabalhadores e, na verdade, ainda assim não garante o emprego – pois a estabilidade no trabalho será garantida apenas por um prazo equivalente a um terço do período de adesão ao plano. Ou seja, o PPE servirá para proteger o lucro do patrão, não o emprego do trabalhador.

Nós trabalhadores não devemos contar com governo algum para nos defender, nem com seus submissos burocratas. Somente com a luta e com a construção de uma greve geral ampla será possível derrotarmos o PPE, o PLC 30 (antiga PL 4330, da terceirização), as demissões, o arrocho salarial, assim como todos os outros ataques à nossa classe!

Abaixo ao Plano de Proteção ao Empresariado!
Pela construção da greve geral!

PPE N

Trabalhadores aos piquetes! Unidade e luta no dia 29.05 contra os ataques à nossa classe!

“A classe trabalhadora tem de aprender, que seu poder não está na força do voto, mas na capacidade de parar a produção” (Voltairine de Cleyre )

Junto à intensificação da crise econômica, tem-se dado de forma cada vez mais intensa os ataques dos governos e capitalistas aos salários, empregos e direitos conquistados pelos trabalhadores com décadas de muita luta. Nossos inimigos de classe vêm se utilizando das mais variadas táticas e estratégias afim de achatar a massa salarial, prejudicando diretamente a nossa qualidade de vida.

Arrochos salariais, demissões, lay-offs, aumentos exorbitantes nas tarifas de luz, água, ônibus, metrô, precarização do Seguro Desemprego, e o coroamento de toda essa onda de ataques: o PL 4330 (agora PLC 30), que permite tanto a terceirização de toda e qualquer atividade de uma empresa, quanto que empresas terceirizadas terceirizem suas próprias atividades.

Se lembrarmos que os trabalhadores terceirizados tem uma jornada em média 3horas a mais por semana, recebem salários 24% menores, são mais rotativos, além de que 4 em cada 5 acidentes de trabalho fatais são de terceirizados, não é exagero algum caracterizar este ataque como o mais brutal das últimas décadas.

O PL da terceirização não pode passar de maneira alguma. Somente um levante unificado da classe trabalhadora será capaz de barrar estes ataques. Somos nós que tudo produzimos, somos nós que garantimos a manutenção da vida em sociedade. A classe trabalhadora unificada e em luta é capaz de tudo, pois sem nosso trabalho, nada funciona. Por isso, nós da Aliança Anarquista conclamamos a todas e todos trabalhadores a fazerem o máximo possível para aderirem à paralisação do dia 29/05, assim como participarem dos piquetes, bloqueios de rodovia, e manifestações de rua. Urge demonstrarmos coesão e disposição à luta paralisando o funcionamento normal da sociedade forçando nossos inimigos a recuarem.

Ainda que o dia 29/05 esteja sendo chamado também por centrais sindicais governistas e burocráticas, se ausentar desta batalha é – além de uma forte demonstração de sectarismo – correr o risco de perder o bonde da história, colocando-se à margem da luta de classes como ela realmente existe e tem se desenvolvido, com todas as suas contradições e limites. Não temos nenhuma dúvida acerca do papel nefasto que o governismo, com sua tendência à conciliação de classes e o burocratismo têm para nós trabalhadores, mas é somente participando e disputando o movimento real da classe trabalhadora que seremos capaz de intensificar e expor as insuperáveis contradições entre os interesses dos governos e seus burocratas, dos interesses da classe trabalhadora em seu conjunto. É compondo ombro a ombro com nossos irmãos trabalhadores em luta, que mais rapidamente colocaremos em cheque a posição insustentável daqueles que dizem defender os interesses de nossa classe, mas que se colocam ao lado dos governos – seja lá quais eles sejam.

Trabalhadores aos piquetes!

braços