Arquivos da Tag: demissões

Solidariedade à greve de garis de Cabo Frio!

No dia 21/12/2015, os garis da cidade de Cabo Frio (RJ) entraram em greve para exigir o imediato pagamento dos salários atrasados desde novembro. Apesar da Prefeitura afirmar que os pagamentos já estavam quase todos regularizados, o Sindcaf, entidade da categoria, afirma o contrário.

Com o inicio da greve, os trabalhadores realizaram uma manifestação fechando faixas e espalhando lixo pelas avenidas.

Dois garis que deram uma entrevista reclamando da situação foram demitidos numa atitude de evidente retaliação.

Todo apoio a greve dos garis de Cabo Frio!
Pela readmissão dos trabalhadores demitidos!

garis3

Solidariedade aos operários da Ford de Camaçari!

No dia 20.10.2015, operários da Ford do complexo industrial de Camaçari, Bahia, paralisaram suas atividades e realizaram uma manifestação contra as demissões.

Dos cerca de 12mil trabalhadores do complexo, 1.400 estão com seus empregos ameaçados.

demitiu, PAROU!

ford2

Chega de onerar a juventude!

* Nota da sobre as sobre as demissões e precarização do trabalho da população jovem

Nos últimos meses, vemos um aprofundamento da crise no Brasil. Por meio de diversas medidas o governo federal tem garantido o lucro do patrão, atacando as condições de vida da classe trabalhadora a partir da redução dos postos de trabalho e/ou dos salários. O ataque à nossa classe vem de todos os lados, seja visando diretamente o trabalho, por meio de demissões – só no setor industrial, 64.228 trabalhadores perderam seus empregos no mês de junho – seja por meio de medidas que tentam impor reduções salariais – como no recente Programa de Proteção ao Emprego, que permite que 15% do salário do trabalhador seja reduzido, ou seja, não protege o emprego, mas sim o lucro do patrão. Além disso, a inflação não para de crescer, atingindo preços de produtos e serviços, como as contas de água e luz, o que precariza cada vez mais a vida do trabalhador.

Mas o que a juventude tem a ver com esses ataques e qual o papel dela perante eles?

Recentemente uma pesquisa do IBGE mostrou que os mais afetados pelo crescente desemprego no Brasil são os jovens entre 18 e 24 anos, faixa etária a qual marcou uma taxa de 16,2% – a maior dos últimos anos. Além disso, os cortes na educação, como os que atingiram o FIES e as bolsas de permanência das universidades federais, também impactam diretamente nos jovens trabalhadores, piorando ainda mais suas condições de vida.

Somado a isso, as medidas tomadas pelo governo do PT apontam para um cenário futuro de maior incerteza, instabilidade e precarização para a juventude. As atuais ações do Estado para conter a crise, tomadas em conjunto e consonância com os grandes empresários, tem sido evidentes tentativas de impor um pacote que aumente a rotatividade no trabalho, reduza salários e direitos – tanto o Projeto de Lei da terceirização (PLC 30), quanto as restrições no seguro desemprego (MP 665), ou mesmo as privatizações e concessões, são expressões disso.

Com o aprofundamento da crise, faz-se necessário que a juventude se alie com a classe trabalhadora em geral e lute em unidade contra os cortes e ataques do Estado e dos patrões. A única forma hoje da juventude barrar os ataques que lhe são dirigidos, é compreendendo-se como parte da classe, e fazendo das lutas dos trabalhadores a sua luta também. É erguendo mobilizações de solidariedade às diversas categorias que estão enfrentando os governos e os patrões. E, principalmente, participando das mobilizações nacionais e amplas que pautem a defesa contra os ataques.

Unificar a luta da juventude com a da classe trabalhadora, respondendo de conjunto às medidas de austeridade e às investidas contra as nossas condições de vida. Esta é a tarefa revolucionária dos jovens no próximo período.

juventude

Greve de trabalhadores da GM

Trabalhadores da GM São José dos Campos entraram em greve após o anúncio de aproximadamente 200 demissões neste final de semana. Os operários pararam a produção hoje de manhã e continuarão de braços cruzados até a reintegração dos demitidos, exigindo também a redução da jornada de trabalho sem redução no salário, em oposição ao cortes salariais do PPE. Essas demissões são mais um ataque na ofensiva contra a classe trabalhadora, vindos da patronal e do Estado.

Todo apoio à greve dos metalúrgicos da GM!
Não ao PPE e aos cortes do governo e da patronal!

GM

PPE – Plano de Proteção ao Emprego ou Plano de Proteção ao Empresário?

O PPE, aprovado pelo governo de Dilma (PT), e aplaudido pelo empresariado e por duas das maiores centrais sindicais brasileiras, CUT e Força Sindical, é mais um ataque à classe trabalhadora.

Este plano poderá reduzir em até 30% o salário dos trabalhadores e, na verdade, ainda assim não garante o emprego – pois a estabilidade no trabalho será garantida apenas por um prazo equivalente a um terço do período de adesão ao plano. Ou seja, o PPE servirá para proteger o lucro do patrão, não o emprego do trabalhador.

Nós trabalhadores não devemos contar com governo algum para nos defender, nem com seus submissos burocratas. Somente com a luta e com a construção de uma greve geral ampla será possível derrotarmos o PPE, o PLC 30 (antiga PL 4330, da terceirização), as demissões, o arrocho salarial, assim como todos os outros ataques à nossa classe!

Abaixo ao Plano de Proteção ao Empresariado!
Pela construção da greve geral!

PPE N