Unidade revolucionária contra a reforma da previdência

Importantes atos ocorrerão em todo o Brasil contra a reforma da previdência e podem abrir um decisivo período de lutas no país. Mas setores já conhecidos como traidores da classe trabalhadora querem surfar no descontentamento popular para retomar seus lugares de poder. Não podemos permitir!

Em São Paulo, a presença de Lula pode colocar em risco a força da mobilização. A luta contra a reforma da previdência não pode virar um palanque eleitoral! Lula e Dilma aplicaram ataques tão duros à nossa classe como estes que se armam agora e já sabemos quem eles defendem: empresários, banqueiros e empreiteras.

Para não permitir que isso ocorra é preciso que a manifestação esteja preparada e rechasse a figura de Lula. É preciso ter coragem de chamar os bois pelos nomes. Traidores são traidores, não importa a máscara que usem.

Chamamos todos os companheiros e companheiras revolucionários para conformarem blocos organizados no ato. Convidamos as organizações anarquistas, como a OASL, para que possamos formar um bloco conjunto e deixar claro que eleição é farsa!

Mas reiteramos: apenas a oposição no ato não basta. É preciso que esse combate contra as organizações pelegas e burocráticas seja feito na base, junto à classe trabalhadora. Como tarefa central devemos organizar nossa oposição e expor as contradições no cotidiano da luta.

Barrar os ataques não é tarefa só para o dia 15. A luta já se arma há tempos, durará ainda mais e será mais contundente se estivermos lado a lado, ombro a ombro.

Todos às ruas no dia 15!
Por uma mobilização independente de governos e patrões!

Os comentários estão desativados.